10 de mai de 2011

Caros Leitores,
Estamos em ajustes do  Real Time , ainda hoje estaremos no ar, com as atualizações diuturnas.

Novo endereço:

Obrigada,
anadeabrãomerij

Nota:
Se Você deseja ser um Colaborador do Real Time, envie seu material para:

9 de mai de 2011

DENÚNCIA

"La OTAN ha cometido una evidente omisión de socorro"

 

 

El sacerdote eritreo Moses Zerai, que denunció la omisión de socorro de los barcos de la Alianza, asegura que desde que estalló la guerra en Libia han muerto más de 1.000 personas huyendo del conflicto


El sacerdote eritreo Moses Zerai, director de la ONG Habeshia, que el pasado 14 de abril denunció la desaparición de la patera que llevaba a bordo a 72 inmigrantes a los que la OTAN dejó morir de sed y hambre, según The Guardian, se encuentra en Malta visitando a los cerca de 600 prófugos somalíes, etíopes y eritreos que han llegado a la pequeña isla del Mediterráneo huyendo de la guerra en Libia. Por teléfono, el cura explica a EL PAÍS que las fuerzas de la OTAN han "cometido un caso evidente de omisión de socorro", y afirma que "es urgente que la Unión Europea y la OTAN hagan una investigación seria y transparente que determine las responsabilidades".
"Los supervivientes han contado que el helicóptero les lanzó agua y galletas y que luego no enviaron más ayuda", explica Zerai. "El portaaviones francés estuvo a 400 metros de ellos pero no hizo nada; durante la travesía los prófugos vieron otros barcos militares que tampoco actuaron. Es necesario que la OTAN aclare si la alarma fue lanzada o no a las autoridades marítimas italianas o maltesas para conocer quién es el responsable, averiguar quién sabía dónde estaba la patera y por qué nadie prestó ayuda".
"Esperamos que sea solo un caso de negligencia, porque si la decisión fue tomada de forma deliberada desde arriba sería todavía más grave", afirma Zerai. "La OTAN y Europa deben dar una respuesta trasparente. Hace falta claridad y justicia", añade.
Más de mil muertos
La tragedia de los 72 prófugos africanos no es, ni mucho menos, la única sucedida desde que estalló la revuelta de Bengasi. El director de Habeshia afirma que en estos tres meses "han muerto ya más de 1.000 personas, en su mayoría somalíes y etíopes, tratando de alcanzar por mar las costas europeas". La cifra incluye el último naufragio, el de una barcaza que portaba cerca de 600 inmigrantes frente a las costas libias, el viernes pasado. Solo hubo 130 supervivientes.
Zerai recuerda además el caso de "la primera barca zarpada de Libia tras el inicio del bloqueo, el pasado 22 de marzo. Iban 335 personas a bordo, y algunos familiares lanzaron la alarma. Creemos que no llegaron a dejar las aguas libias, pero 15 días después aparecieron 200 cadáveres en la costa, y algunos de ellos, según han dicho los testigos, tenían heridas de arma de fuego".
Un eurodiputado italiano ha solicitado al Parlamento Europeo la apertura de una comisión de investigación. "Lo único que sabemos es que 200 cuerpos fueron enterrados a toda velocidad y que 130 personas desaparecieron", afirma Zerai.
Los miles de eritreos, etíopes y somalíes que se encontraban en Libia cuando estalló la revolución, que Zerai cifra en unas 6.500 personas, son los grandes olvidados de la guerra en Libia. Su dramática situación -muchos de ellos fueron desalojados de sus casas porque sus caseros eran confundidos con mercenarios- fue denunciada por el arzobispo de Trípoli, Giovanni Martinelli, a petición de Zerai, antes incluso de que empezaran los bombardeos de la OTAN.
"Pedimos a la Unión Europea que ayudara a evacuarlos, pero solo Italia transportó a 110 personas", recuerda Zerai. "El resto no hizo nada. De forma que algunos huyeron a Túnez y a Egipto, y el resto ha tratado de escapar por mar. Si la UE hubiera escuchado esa petición de socorro, esos más de 1.000 muertos, muchos de ellos niños y mujeres, estarían ahora refugiados en diversos países".
"La UE se ha comportado de forma pésima", afirma el sacerdote africano. "No ha sabido gestionar las revueltas, ni ayudar a los pueblos en sus peticiones de democracia y libertad, ni dar una acogida digna a los refugiados. No sé si es por incapacidad o por falta de voluntad política, pero el hecho es que las víctimas de esa actitud vergonzosa han sido los prófugos. Ellos ven a Europa como el lugar donde se respeta el derecho de asilo. Pero la UE no está a la altura, y solo trata de resolver el problema con acuerdos bilaterales, como si eso lograra frenar a las mafias que transportan a los inmigrantes mientras en realidad las refuerzan y solo aplaza el problema, porque siempre buscan nuevas rutas".
La última vergüenza es Malta. Más de 400 prófugos de guerra han sido "acogidos" en un hangar del aeropuerto, y 200 más están detenidos en centros de retención. "Esto parece el norte de África, no Europa", dice Zerai. "Los niños se están poniendo enfermos porque viven entre grasa y veneno para ratones. Las tiendas de campaña están dentro de un hangar donde hace un calor insufrible. Los servicios de ayuda son completamente insuficientes, algunas mujeres han sufrido episodios de violencia sexual, y gente que tiene derecho al asilo político está metida en cárceles financiadas con fondos europeos donde no se les concede ni siquiera la hora de paseo. Esta es la realidad de la Europa del siglo XXI".

MIGUEL MORA | Roma

DENÚNCIA

La OTAN niega que un portaaviones aliado dejara morir a 61 inmigrantes en el Mediterráneo

 "El barco, con mujeres y niños a bordo, estuvo 16 días a la deriva"

La Alianza asegura que no había ningún buque de la organización en la zona.- Un portavoz del Estado Mayor francés desmiente que un portaaviones de su país no ayudase a la embarcación

La OTAN niega vehementemente que un portaaviones aliado ignorara las peticiones de auxilio de una barca con decenas de inmigrantes africanos en el Mediterráneo, que según The Guardian murieron de hambre y sed tras pasar 16 días a la deriva cuando trataban de llegar a la isla italiana de Lampedusa. "No había barcos de la OTAN en la zona", ha señalado Carmen Romero, portavoz de la Alianza, tras recabar información al mando de la operación en el cuartel general de Nápoles. "Solo un portaviones, el italiano Garibaldi, estaba en alta mar por esas fechas, pero operaba a unas cien millas náuticas (unos 180 kilómetros) y no vio nada".
Todos los inmigrantes menos 11 murieron de sed y hambre durante la travesía, según el diario británico. "Cada mañana nos levantamos y encontrábamos más cuerpos, que tirábamos al mar", relata a The Guardian Abu Kurke, uno de los supervivientes. La barcaza salió de Trípoli el pasado 25 de marzo cargada con 47 etíopes, siete nigerianos, siete eritreos, seis ghaneses y cinco sudaneses. De ellos, 20 eran mujeres y dos niños, uno de tan solo un año de edad.
A las 18 horas de partir, el barco empezó a tener problemas y se quedó sin combustible, a unas 60 millas (110 kilómetros) de la costa libia. Después de 16 días a la deriva, en los que se agotaron la comida y el agua, el 10 de abril las corrientes arrastraron la embarcación a una ciudad costera cerca de Misrata, donde dos de los 11 supervivientes murieron.
Kurke relata al diario británico que en un momento de la travesía, el mar acercó la barca a un portaaviones tanto que era imposible que no les divisaran. Dos aviones despegaron del buque y sobrevolaron la barcaza a poca altura, mientras los inmigrantes les hacían señales desesperadas y levantaban a los dos niños para que les vieran. Pero el superviviente asegura que no se hizo ningún intento de rescate. Según la investigación de The Guardian, el único portaaviones que operaba en la zona en esas fechas era el francés Charles de Gaulle, que participa en las operaciones para imponer la zona de exclusión en Libia, pero no está bajo las órdenes del mando conjunto en Nápoles. Fuentes aliadas indican que París les ha asegurado que su buque insignia tampoco se encontraba en la zona.
La Marina francesa lo demiente
Hasta ahora no hay un comunicado oficial de la Marina francesa sobre el naufragio de los inmigrantes y la información de The Guardian. Pero un portavoz del Estado Mayor francés desmintió esta mañana al diario digital Rue 89 que el portaviones nuclear francés Charles de Gaulle, tal y como sugiere el periódico, se encontrara con la barcaza de inmigrantes africanos en peligro y no corriera en su auxilio. "No nos hemos cruzado con ese tipo de embarcación. En el caso de haberlo hecho, habríamos acudido en su ayuda. No nos sentimos aludidos. No se trata de un barco francés", aseguró este portavoz a la citada publicación digital.
La portavoz de la Alianza ha insistido en que la OTAN es consciente de las obligaciones que el Derecho Marítimo impone a todos los barcos de responder a peticiones de auxilio. "Hemos rescatado a personas en el pasado y los vamos a seguir haciendo", señala Romero, que habla de cómo en la noche del 26 al 27 de marzo, cuando el barco de los refugiados subsaharianos ya había partido de Trípoli, diversas unidades aliadas intervinieron en dos rescates que salvaron la vida a 510 personas. Aquellos náufragos fueron desembarcados en Italia.
"Durante la travesía los prófugos vieron otros barcos militares que tampoco actuaron", afirma sin embargo el sacerdote Moses Zerai, director de la ONG con sede en Roma Habeshia, en una entrevista telefónica. Zerai fue uno de los últimos en hablar con los inmigrantes de la barcaza antes de que se les agotara la batería del teléfono satélite que tenían. Según su versión, avisó a la Guardia Costera italiana y, poco después, un helicóptero militar sobrevoló el barco, suministró agua y galletas a los inmigrantes, y les pidió por señas que se mantuvieran allí hasta que llegara un barco de rescate. Ningún país ha admitido haber enviado ese helicóptero, según el diario británico.
Un portavoz de la Guardia Costera italiana citado por The Guardian aseguró que avisaron a Malta de que "el barco se dirigía a su área de rescate", y que "lanzaron la alerta para que se iniciara la búsqueda de la embarcación, obligándolos a intentar el rescate". Preguntado por EL PAÍS, el comandante de la Guardia Costera italiana de Lampedusa, Antonio Morana, afirma que no recuerda si su departamento recibió la alarma, pero en todo caso explica que la patera fue vista a 120 millas (220 kilómetros) al sur de Lampedusa, fuera de las aguas SAR (búsqueda y rescate) italianas y dentro de la jurisdicción libia, y que en esos casos, dice, "siempre damos el aviso a Roma, porque nosotros no podemos intervenir". Las autoridades maltesas han negado cualquier implicación con la barcaza, según el diario británico.
Peticiones de investigación
Organizaciones de derechos humanos han reclamado una investigación por las muertes, mientras que el Alto Comisionado de Naciones Unidas para los Refugiados (ACNUR) ha pedido una estricta cooperación entre navíos militares y comerciales en el Mediterráneo en un esfuerzo para salvar vidas. La OTAN ha recordado que unidades navales aliadas rescataron a finales de marzo a dos embarcaciones en apuros procedentes de Libia, que llevaban unos 300 y 210 pasajeros a bordo.
El régimen de Muamar el Gadafi utiliza a los miles de desesperados que buscan huir de la guerra civil en Libia como arma arrojadiza contra Europa,El diario L'Unitá informa hoy de que Gadafi ha encargado a un alto oficial de la Marina libia, Zuhair Adam, organizar los desembarcos de prófugos para usarlos como arma contra Italia. Irónicamente, Adam es un militar bien conocido del Ministerio del Interior italiano, ya que forma parte del grupo de oficiales libios que hizo un curso de técnicas de patrulla de costas cuando Italia y Libia firmaron el acuerdo bilateral para devolver a los inmigrantes. abriendo la mano y permitiendo la salida de inmigrantes en barcos en malas condiciones, según han denunciado el arzobispo de Trípoli, Giovanni Martinelli, y ACNUR.
Según el director de Habeshia, desde que se inició la guerra libia hace tres meses "han muerto ya más de 1.000 personas, en su mayoría somalíes y etíopes, tratando de alcanzar por mar las costas europeas". El pasado viernes, una barcaza con 600 ocupantes naufragó cerca del litoral libio y solo hubo 130 supervivientes. Ayer se vivieron de nuevo momentos dramáticos al caer al agua los 500 inmigrantes que llegaban a Lampedusa en otra embarcación, entre ellos numerosos mujeres y niños. Finalmente, fueron rescatados gracias a una cadena humana formada por miembros de las fuerzas de seguridad, voluntarios de organizaciones humanitarias ciudadanos e incluso periodistas.

R. M. DE RITUERTO / M. MORA / A. JIMÉNEZ BARCA - Bruselas / Madrid / París -

7 de mai de 2011

"A nossa Homenagem - Dia das Mães"


"A Reflexão de Hoje"

Poesia de Bertolt Brecht lida por Letíca Sabatella durante Seminario sobre o Código Florestal.


Aos que virão depois de nós (Bertolt Brecht)

I

Eu vivo em tempos sombrios.

Uma linguagem sem malícia é sinal de

estupidez,

uma testa sem rugas é sinal de indiferença.

Aquele que ainda ri é porque ainda não

recebeu a terrível notícia.
Que tempos são esses, quando
falar sobre flores é quase um crime.

Pois significa silenciar sobre tanta injustiça?

Aquele que cruza tranqüilamente a rua

já está então inacessível aos amigos

que se encontram necessitados?
É verdade: eu ainda ganho o bastante para viver.
Mas acreditem: é por acaso. Nado do que eu faço

Dá-me o direito de comer quando eu tenho fome.

Por acaso estou sendo poupado.

(Se a minha sorte me deixa estou perdido!)
Dizem-me: come e bebe!
Fica feliz por teres o que tens!

Mas como é que posso comer e beber,

se a comida que eu como, eu tiro de quem tem fome?

se o copo de água que eu bebo, faz falta a

quem tem sede?

Mas apesar disso, eu continuo comendo e bebendo.
Eu queria ser um sábio.
Nos livros antigos está escrito o que é a sabedoria:
Manter-se afastado dos problemas do mundo

e sem medo passar o tempo que se tem para

viver na terra;

Seguir seu caminho sem violência,

pagar o mal com o bem,

não satisfazer os desejos, mas esquecê-los.

Sabedoria é isso!

Mas eu não consigo agir assim.

É verdade, eu vivo em tempos sombrios!
II
Eu vim para a cidade no tempo da desordem,

quando a fome reinava.

Eu vim para o convívio dos homens no tempo

da revolta

e me revoltei ao lado deles.

Assim se passou o tempo

que me foi dado viver sobre a terra.

Eu comi o meu pão no meio das batalhas,

deitei-me entre os assassinos para dormir,

Fiz amor sem muita atenção

e não tive paciência com a natureza.

Assim se passou o tempo

que me foi dado viver sobre a terra.
III
Vocês, que vão emergir das ondas

em que nós perecemos, pensem,

quando falarem das nossas fraquezas,

nos tempos sombrios

de que vocês tiveram a sorte de escapar.
Nós existíamos através da luta de classes,
mudando mais seguidamente de países que de

sapatos, desesperados!

quando só havia injustiça e não havia revolta.
Nós sabemos:
o ódio contra a baixeza

também endurece os rostos!

A cólera contra a injustiça

faz a voz ficar rouca!

Infelizmente, nós,

que queríamos preparar o caminho para a

amizade,

não pudemos ser, nós mesmos, bons amigos.

Mas vocês, quando chegar o tempo

em que o homem seja amigo do homem,

pensem em nós

com um pouco de compreensão.

ARTIGO MESTRE

ENTRE O IMPÉRIO E A DEMOCRACIA

 
Fátima Almeida




 Chalmers Johnson, ex-analista da CIA - agencia de espionagem norte-americana -  professor de História, aposentado, das Universidades de Berkeley e San Diego, concedeu entrevista a Jorge Pontual do programa Milênio da Globo News, em sua casa no Sul da Califórnia, terça passada, quando disse que Barack Obama está perdido e que os Estados Unidos precisa decidir se é uma democracia ou um império, pois não é possível uma nação ser uma e outro ao mesmo tempo.
Pouco antes do “11 de setembro”  Johnson publicou o primeiro livro de sua trilogia “Blowback”, publicado no Brasil com nome em inglês, no qual previa que algum tipo de represália estaria sendo desenvolvida em resposta à presença militar cada vez mais freqüente dos Estados Unidos no mundo. São oitocentas bases militares em diversos países, revelou. O termo blowback é usado pela CIA para descrever situações em que ações americanas provocam represálias. Acima de tudo, disse Chamers, significa uma reação, uma resposta. Um problema é que o povo americano não costuma esperar por isso: “quase nunca prevêem isso corretamente porque eles tendem a achar que estão fazendo o bem no mundo e que os outros concordam com eles, por isso, ficam surpresos com algumas reações que recebem”.
Quando Chalmers escreveu sua trilogia, na virada do século previa que os principais problemas da política externa nos EUA, nas décadas seguintes, seriam questões remanescentes da última metade do século 20: “elas estavam se acumulando, não teríamos boas notícias”. Após a publicação, houve o atentado de 11 de setembro e as pessoas diziam; “Meu Deus, ele previu os ataques”. É claro que eu não previ, disse ele, exceto em um sentido,  eu disse que haveria um contragolpe, digamos assim, vindo do terceiro mundo, dos países que nós intimidamos. Os americanos ficaram chocados pela idéia de não serem amados por todos, de que suas forças armadas são realmente forças armadas e não missionários armados ou algo do tipo. Vamos falar abertamente, disse o historiador norte-americano, nessa entrevista: é claro que os EUA é um império!
O imperialismo norte-americano vem de longe, desde quando adquiriram a Lousiana, colônias em Porto Rico, Havaí, Alasca, a guerra das bananas, a guerra mexicano-americana com a anexação do Texas, do Novo México, do Arizona, da Califórnia, a ocupação militar das filipinas, etc. Os EUA, em 1896, foi comparado ao Império romano, quando o jornalista Henry Watterson declarou: “somos uma república imperial, destinada a exercer influencia controladora sobre as ações da humanidade”.
Após a Segunda Grande guerra, os EUA emergiram na condição de primeira potência mundial, sem que uma só bomba tenha caído em seu território ao passo que milhares destruíram cidades da Inglaterra, França, Alemanha, países aos quais ele concedeu empréstimos para a reconstrução, com sua economia saudável graças, em parte,  aos soldados da borracha, brasileiros que saíram do nordeste para a Amazônia, vindo produzir matéria-prima para sua indústria. O Os EUA, promoveram as guerras do Vietnam, Coréia, Afeganistão, fez embargo à Cuba, Guerra do Iraque, ocupado com o controle dos seus mercados de consumo e capitais e em especial com o controle da riqueza petrolífera do Oriente Médio que o regime dos Talibãs vem resistindo a entregar de forma incondicional.
Segundo Jorge Pontual os gastos militares do governo norte-americano chegaram a quase um trilhão de dólares em 2010, mais do que a soma dos orçamentos militares de todos os outros países, nove vezes mais do que a China, potência rival, gasta por ano, com suas forças armadas. Israel, frente avançada dos Estados Unidos no Oriente Médio está, agora mesmo, vendendo milhares e milhares de tanques de guerra, expostos num enorme campo, ao preço de 25 centavos o quilo.
O mundo está em guerra e a ultima aquisição brasileira de tanques foram 34 veículos da marca Leopard de fabricação alemã, que entrou em operação em 1965, ao preço de 900 mil reais cada um.  O Brasil ainda opera com caças F-5, que operaram na guerra do Vietnam, reformados, agora com 30 anos de operação.  A última aquisição da marinha é o Porta-Aviões São Paulo, construído na França entre 1957 a 1960 e que serviu à Marinha da França, por 12 milhões de dólares. Os fuzis do exército brasileiro, da marca FAL, são de calibre defasado. Já a Venezuela de Hugo Chavez,  negocia aquisição de 24 caças de combate de uma classe de caças de ataque e superioridade aérea pesada, de longo alcance, quarta geração e que entraram em operação na força aérea russa em 2008.
Chalmers revelou que por causa de Hugo Chavez procurou ler a obra As Veias Abertas da América Latina de Eduardo Galeano, publicada em 1971: “meu Deus, é realmente uma obra fantástica e importante! Eu a acho impressionante e poucos americanos a conhecem”. Que coisa, todos nós jovens, aqui no Acre, nos tempos da “militância”, final dos anos setenta, tínhamos que ler dois livros básicos: As veias abertas..e, História da Riqueza do Homem de Léo Huberman. Como os americanos são indiferentes à  produção intelectual latino-americana, desprezível para eles, em especial quando apresentam críticas ao seu sistema! Era comum nos negarmos a beber coca-cola, a “água suja do imperialismo norte-americano”. Bons tempos.
Recuando mais no tempo, lembro-me que só assistíamos filmes americanos, no Cine Teatro Recreio, uns até com um certo glamour mas a maioria eram faroestes que apresentavam os indígenas que ainda resistiam a penetração dos seus territórios como se fossem feras. Antes dos filmes projetavam seriados, como A adaga do rei Salomão, quando o herói Rex Bennett, feito pelo belo ator Rod Cameron, sempre ganhava dos árabes barrigudos e estúpidos. As gerações mais recentes assistiram Indiana Jones, cujo chapéu é o mesmo usado por Rex. A serie Indiana Jones foi inspirada  no seriado Adaga de Salomão da Repúblic Pictures, conforme foi revelado por  seu criador, Steven Spielberg, rico diretor judeu-americano.
Na visão de Chalmers, o custo da manutenção da hegemonia dos Estados Unidos no mundo é insustentável. Ele disse que viu na eleição de Barack Obama um sinal de que o país poderia mudar de rumo e abrir mão da política imperialista das últimas décadas. Não é o que está parecendo. Após o assassinato de Bin Laden reações se fazem notar como a reconciliação dos dois movimentos representantes do povo palestino, Al Fatah e Hamas.Um líder árabe falou na TV que Bin Laden morreu como um guerreiro. Certo é que o mundo árabe está fervendo. Espero que não sobre nada para nós, brasileiros, sentados sobre um barril de pólvora,  assistindo Flamengo e Vasco.


Fátima Almeida é Acreana, Historiadora, Professora de Artes na UFA-e articulista do Jornal A Gazeta

"Morre Mãe Noélia Talaké"

Hoje, logo depois de acordar, recebi um telefonema  com uma notícia muito triste: partiu para o mundo ancestral a nengua de inquice do Terreiro Mansu Dandalungua Cocuenza, Noélia Nascimento da Silva, de dijina Talaké.
Mãe Talaké era conhecida por liderar a luta da comunidade religosa para manter seu espaço ainda marcado pela presença de mata e fontes, uma preciosidade em dias de queda de braço com a especulação imobiliária. Foi e ainda é uma batalha árdua para os filhos e lideranças do Mansu, situado na Estrada Velha do Aeroporto.
Além disso, Mãe Talaké tinha uma voz belíssima. Era de arrepiar e emocionar o seu canto de louvor aos inquices e encantados.
Mãe Noélia estava internada no Hospital Português e faleceu ontem. O sepultamento será hoje, sábado, às 16 horas no Cemitério Bosque da Paz.


Salvador -Bahia 
Jornal A TARDE


ALERTA-BRASIL

No teto e subindo

Riscou na trave e saiu. O teto da meta é 6,5%, a inflação em 12 meses terminados em abril ficou 0,01 ponto percentual acima disso. Vai piorar no acumulado nos próximos meses, melhorar no número mensal. Deve cair no fim do ano, para virar uma incógnita no ano que vem. A inflação está dando sustos e não tolera avaliações simplistas. É problema complexo.
Eu explico se estiver confundido você neste parágrafo inicial. Ontem, saiu o número da inflação de abril, o IPCA, que ficou em 0,77%. Isso é um tiquinho menor que março, que foi 0,79%. O problema é que saiu ligeiramente do teto de tolerância permitido pelo regime de metas de inflação.
No mês de maio, o IPCA vai subir menos. As safras vão ajudar a baixar os preços dos alimentos. O etanol também vai refrescar a pressão nos combustíveis. A gasolina da gasolina — que é 75% da mistura — não ficou mais cara para as distribuidoras e é uma grande dúvida. Principalmente depois de quinta-feira, quando o preço do petróleo teve uma queda forte de 10%. Mas o preço que a Petrobras cobra é um mistério político. Não está no terreno da economia.
Quando chegar o dado do mês de maio mostrando desaceleração da inflação, o acumulado em 12 meses pode ficar na mesma. Em maio passado, foi 0,43%. Nos meses seguintes, o mensal pode ficar baixo, alegrando o governo; o acumulado vai subir, bater em 7%, preocupando todo mundo. Essa dispersão de números vai acontecer porque nos meses de junho, julho e agosto de 2010 a inflação ficou perto de zero. Qualquer taxa acima de zero elevará o índice em 12 meses. E é para este número que olharão as categorias fortes que vão negociar salários em setembro.
No final do ano, o acumulado deve ceder porque foi forte o impacto do La Niña no último trimestre de 2010. Aí começará o ano que vem, que tem uma trombada inicial. O salário mínimo vai subir por volta de 14% e pode ter impacto em serviços e outros custos.
Os preços administrados subiram fortemente nos últimos meses. São preços como tarifas públicas, que têm fórmulas de correção de acordo com a inflação passada. O IGP-M terminou 2010 em 11,32%, o IPCA, em 5,91%. Em abril, os preços administrados subiram 1,29%. A indexação traz o passado para o presente. Os empresários, para decidir seus preços, fazem três perguntas: quanto os custos aumentaram? Qual será a inflação no futuro? O consumidor aceitará meu preço?
Os custos aumentaram, a inflação no futuro é incerta, o consumidor pagará se tiver dinheiro ou nenhuma outra opção. No cenário, há muita coisa mudando. As compras do Dia das Mães serão mais fortes que em 2010, mas o ritmo de crescimento é menor. As famílias já estão bem endividadas. Esta semana, o presidente do Banco Central avisou à imprensa e ao Congresso que, se precisar, continuará subindo os juros. O risco é o governo achar que a queda do índice mensal prova que é só esperar que a inflação vai cair por gravidade.
No mundo inteiro ela está subindo, só que a nossa é mais tinhosa, aprendeu manhas específicas com o longo passado inflacionário, como o de se reproduzir; nascendo de novo de si mesma, com a indexação. Quanto mais alta for e mais incerto o cenário, mais se fortalecem os músculos indexados.
O vasto mundo que nos cerca por todos os lados é de uma incerteza só. Do nada, os preços do petróleo caíram 10% na quinta-feira, e despencaram várias outras commodities. O bom da economia é que tudo tem explicação. O ruim é que elas surgem normalmente depois dos fatos.
Commodities caírem ajudam a inflação por um lado, mas se a queda atingir fortemente as que o Brasil exporta, é menos entrada de dólares. Aliás, o dólar andou subindo. Bom para os exportadores; mas deixa de ser um fator que puxa a inflação para baixo. Não tem muito fôlego para continuar subindo. Com a “nuvem de liquidez” — expressão de Tombini — que anda sobre o mundo, o dólar ficará mais fraco. Essa nuvem também provoca sobe e desce nas commodities, preços dos ativos, e contorna os obstáculos que o BC tem posto sobre a entrada de capitais.
Na hora do susto, essa nuvem corre para os títulos do governo americano, apesar de ser lá a capital da crise que começou em 2008. Na hora calma, esses capitais especulam em todos os mercados, provocando altas abruptas, pressionando a inflação. Essa é parte da confusão atual. Mas como explicou Tombini, uma das razões pelas quais os eventos inesperados do ano não desaguaram em crise é exatamente a existência dessa nuvem de liquidez mundial.
O Brasil conhece bem a inflação e o arsenal que nunca funcionou. Não dá certo apelo a empresário para que não reajuste seus preços, como foi feito esta semana pelo ministro Guido Mantega. A inflação nunca tem uma causa só, portanto, dizer que o vilão foi o combustível só aumenta a preocupação, porque indica que o governo não está vendo todas as conexões que estão se formando.
As razões econômicas para a inflação estar no ponto superior da meta são muitas. A consequência política é sempre a mesma: governo que permite que o índice suba, corroendo o poder de compra e trazendo velhos desconfortos de volta, acaba perdendo popularidade.



Miriam Leitão

Barack Bush bem que avisou!

 

Pô… Arnaldo Jabor deve estar chateado pra chuchu. Barack Obama anda, como apontei há dias, mais George W. Bush do que nunca, hein!? Aliás, a gente vai ver daqui a pouco, ele, de certo modo, cumpre uma promessa de campanha… Ontem, o homem esteve no Marco Zero para agradecer a dedicação aos policiais e bombeiros que participaram das operações de salvamento no 11 de Setembro. Hoje, foi a uma base militar no Kentucky dizer “obrigado em nome da America” e exaltar “o melhor Exército do mundo”. E foi explícito: “Ontem, fui a Nova York (…) e hoje aqui, em Fort Campbell; tive o privilégio de conhecer aquelas pessoas que realizaram nossa promessa. Disse a eles ‘missão cumprida, missão cumprida’”. A missão, entende-se, era matar Osama Bin Laden, embora isso não seja admitido.
Segundo o Gallup, a popularidade de Obama, que era de 46%, saltou para 52%. Se vai se manter ou não, é o que veremos. O segundo grande evento associado à morte de Bin Laden foi a divulgação de que a Al Qaeda tinha um plano para atacar trens no aniversário do 11 de setembro. Parece que ainda era um rascunho. Mas as evidências foram colhidas pelos “seals” na invasão ao cafofo do Osama… Bush também sabia usar as ameaças terroristas para justificar suas ações.
Pois é…
Tio Rei se esforça para não deixar seus leitores na mão! Nunca! No dia 9 de janeiro de 2008  — ATENÇÃO, EU ESCREVI “2008″ —, publiquei um texto intitulado “Eleição nos EUA 2 - Quem é Obama? Um faroleiro ou um republicano guerreiro?”. Lá se podia ler isto, por exemplo (se tiverem tempo, releiam o post inteiro, aqui):
“Em agosto, Barack Obama fez uma conferência no Woodrow Wilson International Center for Schollars em Washington. Vale a pena ler. Seria interessante se Obama vencesse as eleições. Essa miríade de pacifistas, contestadores e “jovens” que se juntam à sua candidatura talvez se surpreendesse, não é?  Claro, claro, ele deita falação contra George W. Bush. Como tem o currículo “limpo” (não era senador quando o Senado, em peso, autorizou o uso da força no Iraque), ele o critica com veemência e diz que a guerra foi um erro. Tá. Vá lá: um candidato democrata tem de falar mal da guerra.”
Naquele discurso, dizia o então candidato: “Não há de haver um só refúgio seguro para terroristas que ameaçam a América. Não podemos deixar de agir porque a tarefa é difícil”. Prometeu milhões de dólares de ajuda às Forças Armadas do Paquistão, mas alertou que o país tinha de obter substancial progresso para eliminar os campos de treinamento dos terroristas e para impedir que o Taliban usasse seu território para atacar americanos no Afeganistão.
E ameaçou:
“Eu entendo que o Presidente Musharraf [era o então presidente do Paquistão] tem seus próprios desafios. Mas deixem-me deixar isto bem claro: há terroristas escondidos naquelas montanhas, que mataram três mil americanos. (…) Se tivermos informações seguras de que os terroristas estão no alvo e se o presidente Musharraf não agir, nós agiremos”.
Como se nota, nesse particular, o “republicano” Obama cumpriu a promessa, certo?
Continuou:
“O segundo passo da minha estratégia é aumentar a nossa capacidade e a de nossos parceiros para encontrar, capturar ou matar os terroristas em todo o mundo; com o objetivo de impedir que tenham acesso às armas mais perigosas do mundo, não hesitaremos em usar a força militar para destruir os terroristas que representam uma ameaça direta à América”.
Estava tudo lá. Para realizar seus objetivos, o governo Obama usou as informações conseguidas segundo os métodos de Guantánamo, manteve a prisão aberta, violou o espaço área de um outro país, agiu sem seu consentimento e passou fogo em Osama.
Fosse Bush, o Jabor estaria gritando: “Joga pedra na Geni!” Como é Obama, ele faz um poema em homenagem à civilização… O que eu acho? Eu acho que nossos valores não podem nos levar a aceitar que eles façam conosco, em nome dos deles, o que não faríamos com eles. Ou por outra: “Passem fogo no terrorista filho da mãe!” Pensava assim antes e agora.
Nesse particular, Barack Bush está certo!


Por Reinaldo Azevedo
Chalita, o “bonito”, revela por que sua produção já supera Machado e Graciliano somados. Ou: Um católico tem a obrigação de dizer a verdade. Ou: ele junta Castro Alves com os albinos da Tanzânia!!!

Chalita, o "bonito", na foto de Eduardo Knapp, da Folhapress: método criativo junta Castro Alves com os albiunos na Tanzânia numa leitura realmente única!
Chalita, o "bonito", na foto de Eduardo Knapp, da Folhapress: método criativo junta Castro Alves com os albinos na Tanzânia numa leitura realmente única!
O deputado federal Gabriel Chalita (PSB por enquanto) é mesmo um homem surpreendente. Ele andou meio bravo comigo porque cotejei uma entrevista sua com uma palestra. Em uma, seus pais eram amantes do saber; em outra, o pobre menino era esmagado por uma família infensa a seus dotes intelectuais. Também me espantei um tanto com uma velhinha num asilo, uma professora, que fazia o menino Gabriel, aos oito anos, ainda um anjo, ler Sartre… Se a minha memória não falha, quando ele devolvia o livrinho à mestra, dizia: “Não entendi nada, mas adorei!” Não entender, mas adorar, é coisa de quem aprende com o coração, entenderam?
No texto de que ele não gostou, também confronto duas informações: uma dá conta de que um apartamento espetacular em que ele mora, aqui pertinho, avaliado em R$ 8 milhões, foi comprado com parte de uma herança familiar; outra informa que ele era pobre de marré, marré, marré.
Não entendi nada, mas adorei.
Chalita está na Folha de hoje, numa entrevista a Morris Kachani. Aos 42 anos, já escreveu 7.835 livros — 54 para ser mais preciso. Diz estar com “tesão” para ser prefeito. Eu poderia escrever que os paulistanos aguardam apreensivos. Mas diriam que estou sacaneando o deputado neo-socialista, que está de mudança para o velho PMDB.
Indagado se faz literatura de auto-ajuda, respondeu:
“Não sou um autor de autoajuda. Isso é herança de quando o Serra brigou comigo. Tentou me desconstruir intelectualmente. De repente, acionou todos os seus amigos e blogueiros. Eu era o geniozinho e virei o escritor de autoajuda. Mas tudo que escrevo tem um enfoque filosófico.”
Nunca conheci ninguém menos ignorante do que o próprio Chalita que o considerasse um “geniozinho” — eventualmente aquela velhinha que o levava a ler Sartre aos oito anos… Na entrevista, ele explica o seu método de criação. E a gente entende as duas coisas: por que alguns o consideram gênio e por que, de fato, ele é um autor de auto-ajuda. Eu sei que ele me inclui entre os “blogueiros” do Serra. Como não conheço os outros, devo ser o único. Quando o ex-governador está entediado, me liga:
— Dá aí uma cacetada na obra filosófica do Chalita.
Obediente, vou lá e executo a tarefa. Afinal, se não sou eu a falar mal da obra de Chalita, quem o fará? Não há livro seu que não deixe a crítica de queixo caído. O silêncio que se ouve não é desprezo, mas estupefação diante do Maravilhoso. Ele há de entender o silêncio reverencial diante da Epifania!
Na entrevista, a gente entende por que Chalita já escreveu 7.836 livros (eram 7.835 quando comecei o post). Esta pergunta e esta resposta revelam seu método de criação:
Folha - Só no ano de 2010 foram oito livros. Como consegue ser tão prolixo? Trabalha com “ghost writer”?
Chalita -
É que deve ter muito livro infantil aí. O livro que fiz com o Mauricio de Sousa, por exemplo, escrevi no avião em uma viagem de São Paulo a Natal. O “Pedagogia do Amor”, escrevi em 15 dias. “A Ética do Menino” foi no Réveillon. Estava na casa de Ângela Gutierrez em Salvador. A Milu Vilella sentou ao meu lado e disse: “Deixe-me ver como você escreve”.
É um potentado! Se Chalita fosse um ginasta, alguém diria: “Chalita, dá pirueta!” E ele daria pirueta. “Agora uma estrela!” E pimba! Na hora, lá estaria o Chalitinha encantando a todos com sua agilidade. Como é escritor, alguém se acerca e pede: “Deixe-me ver como você escreve”. E lá vai ele, segundo entendi, com uma variante da escrita automática, lançando no papel tudo o que lhe vem à mente, segundo o método da livre associação. É verdadeiramente mágico! Não fossem o Serra e seus blogueiros, seria uma unanimidade!
Chalita prepara seu 7.838º livro (o 7.837º veio à luz enquanto eu redigia o parágrafo anterior). Mais uma contribuição seminal ao pensamento, sobretudo porque ele revela que escreve sem fazer pesquisa, o que alguns já haviam percebido sem que houvesse a confissão. Leiam:
Folha - O que você está escrevendo agora, a propósito?
Chalita -
Estou com um projeto sobre correspondências imaginárias entre Sócrates e Thomas More. Em dez dias nos EUA, quase acabei.
Folha - Você escreveu de cabeça, sem pesquisa?
Chalita -
De cabeça, porque na verdade meu Sócrates é um camponês, e meu More é professor. Então, eu pego conceitos filosóficos, mas são diálogos. Adoro escrever cartas. Ficção com base epistolar é muito bonita.
Em outra resposta, ele deixa ainda mais claro o seu método criativo.
Folha - Como funciona seu processo de criação?
Chalita -
Faço associações. Por exemplo, os rituais macabros com albinos na Tanzânia que menciono em um livro. Fiquei sabendo disso no Congresso. E eu adoro o “Navio Negreiro”, daí eu pego a coisa da Tanzânia, e penso no pássaro que o Castro Alves imaginava sobre aquela nau, vendo aquele sofrimento. Então, eu vou buscar o Castro Alves e coloco lá.
Compreendo… “A coisa da Tanzânia”, misturada a Castro Alves, resultou sabe-se lá em quê. Considerando que boa parte de seus leitores não conhece o poema, parece que se revela um segredo: estamos diante do método de criação “chupa-cabra”.
Já estou antevendo. Os “fãs” de Chalita, não sei se de modo espontâneo ou estimulado, entrarão nos comentários para dizer que estou com inveja: “Você, que só escreveu três livros, está com inveja do Chalita, que está escrevendo o 7.939º…” Epa! Ela já publicou mais do que Machado de Assis e Graciliano Ramos somados. É razoável! Aqueles dois não tinham tanto assim a dizer. Não eram dotados dessa mente fervilhante.
O católico
Chalita se coloca como “o” católico da política. Isso o obrigaria a não mentir, a não levantar falso testemunho, nem para prejudicar seus adversários nem para proteger seus aliados. Leiam o que segue:

Folha - Que pensa do aborto?
Chalita -
Sou contra o aborto. Sou um defensor ardoroso do direito à vida. Há bens inalienáveis, como a vida.
Folha - Acha que Dilma e Serra também são contra ou foi apenas um jogo de cena?
Chalita -
Não sei. Nas conversas com a Dilma, ela dizia que os ricos fazem e os pobres não, daí a injustiça. O Serra acho que era mais favorável.

Se Dilma disse mesmo aquilo a Chalita, falou uma grande besteira. Mas pode ser apenas a aplicação prática de seu método criativo, agora à política. Pobres e ricos fazem aborto no Brasil — os pobres mais do que os ricos numérica e percentualmente porque têm menos acesso à informação, ao planejamento familiar e a métodos contraceptivos. Mas essa desigualdade não torna o aborto justo ou injusto. Se Dilma disse mesmo essa tolice a Chalita, não posso asseverar. Em nome da verdade, o soi-disant “católico” Chalita deveria lembrar que a agora presidente fez a defesa explícita do aborto, mais de uma vez, como um “direito” da mulher — e, pois, segundo as palavras do próprio, isso não a caracteriza como uma “defensora ardorosa” da vida.
Chalita tem pela verdade o mesmo rigor evidenciado na sua produção sobre Sócrates: “O Serra acho que era mais favorável [ao aborto]“. Não há uma só declaração do ex-governador — à diferença de Dilma — em defesa da legalização do aborto ou de sua prática. O bom “católico” Chalita está apenas fazendo política mesquinha. Ele tem o direito de se opor a quem quiser, mas, para um pensador da ética, sua prática é lastimável.
Deixo claro que não o considero um escritor de auto-ajuda no sentido tradicional da expressão. Eu realmente não creio que alguém ganhe alguma coisa ao ler um livro seu. Folheei um único num consultório médico, perdido em meio a revistas “Caras” e “Quem”… Era aquele sobre a ética do menino ou algo assim… Tive um ataque de riso logo na segunda página. Os demais pacientes devem ter achado que eu tinha errado de especialista. Chalita e “auto-ajuda”, sim: sabe como ninguém ajudar o próprio autor… Ninguém pode condená-lo por isso se há quem o leia. Chalita tem de se conformar: não é um gênio; trata-se apenas de um rapaz muito esperto.
Na abertura da entrevista, informa a Folha:
” (…) enquanto posava para as fotos, [Chalita] afirmou: “Esses árabes bonitos são fáceis de fotografar”.
Ok. Sua pretensão de ser bonito chega a ser mais justa do que a de ser inteligente.

Por Reinaldo Azevedo

DENÚNCIA-BRASIL

Código Florestal Brasileiro uma discussão polarizada: -o povo brasileiro está perdido na selva


Por Douglas Barraqui

“O Brasil não tem povo, tem público”; mais uma vez eu tenho que me deixar concordar com o axioma de Lima Barreto. O substituto do Código Florestal brasileiro, projeto 1.876/99 do deputado federal Aldo Rebelo (PCdoB-SP), contempla uma polarização da discussão quanto ao destino de nossas florestas. Ao povo brasileiro nada foi apresentado de concreto e assim não se houve o mesmo.

Maior proteção ambiental ou maior produtividade rural? É o “ser ou não ser” que polariza essa discussão sobre o substituto do Código Florestal. De um lado estão os ambientalistas que defendem o aperto do cerco aos ruralistas do mal. De outro está o agrobusiness que levantam a bandeira pelo desenvolvimento do agronegócio no Brasil. Teoricamente o discurso do desenvolvimento sustentável seria o interlocutor capaz de unir ecologistas, ruralistas e a sociedade, só que na prática isso não está ocorrendo.  

A Lei N.º 4.771 de 15 de setembro de 1965, mais conhecida como Novo Código Florestal Brasileiro,  trata das florestas em território brasileiro e demais formas de vegetação, define a Amazônia Legal, os direitos de propriedade e restrições de uso para algumas regiões que compreendem estas formações vegetais e os critérios para supressão e exploração da vegetação nativa. A Lei N.º 4.771 é chamada de “Novo Código Florestal” porque em 1934 já havia sido aprovado o “Código Florestal” (Decreto n.º 23.793) que, no entanto, não deu certo devido às dificuldades para sua implementação. Ao decorrer dos últimos 40 anos essa lei sofreu uma série de intervenções no seu texto original, hora beneficiando ruralistas ora aplaudida por ambientalistas.

Um estudo Coordenado pela Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC) e pela Academia Brasileira de Ciências (ABC) apontam para algumas falhas do projeto e como está sendo apresentado não é benefício nem para o meio ambiente e nem para a produção rural e menos ainda para o povo brasileiro. A pesquisa aponta que a proposta de redução das áreas de reserva legal, contida no substitutivo, ampliaria os riscos de extinção de espécies, além de comprometer os serviços ambientais obtidos a partir dessas porções de terra preservadas. A proposta contida no relatório apoiado pelos ruralistas, que prevê a diminuição das áreas de preservação permanente (APPs) às margens de rios e em topos de morro, “representaria grande perda de proteção para áreas sensíveis”, segundo o documento divulgado pelos cientistas.

 O estudo foi resultado de 10 meses de trabalho de cientistas, professores e pesquisadores de instituições como SBPC, ABC, Inpe, Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) e diversas universidades.
O projeto do deputado federal Aldo Rebelo é uma tentativa, tida para muitos como bem intencionada, de acabar com a vigência de uma série de legislações introduzidas no texto original de 1965. Todavia, o projeto, em fase de discussão e indo para a votação na Câmara Federal, não foi contemplado pelo povo brasileiro. Minha opinião como cidadão brasileiro e como pesquisador no campo da história ambiental e que esse projeto não deve ser votado enquanto o Governo Federal não fizer, por decreto lei, o Zoneamento-Econômico-ecológico. [1] E antes ainda da população brasileira, após ser apresentado todos os dados, ser ouvida por um referendo.

É óbvia a necessidade de que, antes de preservar, ou, conservar ecologicamente o território do Brasil, há que se conhecer, através do Zoneamento, as áreas que poderão, ou, não, serem preservadas, ou, conservadas. Para não se estancar o aproveitamento econômico das partes férteis do território brasileiro.

Enquanto a bancada governista, representado pela ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, e pelo ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Wagner Rossi, busca a construção de um consenso e tentam um acordo entre as partes, o povo brasileiro permanece letárgico e lançado à morosidade. Fico a torcer para que prevaleça o bom senso embasado em dados científicos e para que a povo brasileiro assista o destino de nossas florestas.  Só assim há de se edificar um caminho sustentável propriamente dito.

 Nota:
[1] O Zoneamento Econômico Ecológico é um instrumento da Política Nacional de Meio Ambiente, de âmbito territorial, que subsidia o governo com bases técnicas para definir os diversos usos do território, de forma a promover o desenvolvimento sustentável e ordenado, combinando crescimento econômico com equilíbrio ambiental. O ZEE orienta os planos de ordenamento territorial, que definem, por exemplo, que atividade (agricultura, indústria etc.).

Bibliografias Consultadas:
Diário do nordeste
WWF-Brasil
CódigoFlorestal Brasileiro
AHRENS, Sergio. O novo Código Florestal Brasileiro. Disponível em. Acesso em 02 de maio de 11.

Fonte: Histo é História

"DENÚNCIA-EUA"

''O motivo de sua loucura''
 
 
Por todos os Estados Unidos se veem rostos desesperados e os corações palpitam sem controle devido á subida dos preços da gasolina, o que, por sua vez, faz com que subam os preços em toda a linha de distribuição de produtos porque os fabricantes e comerciantes agregam aos preços de venta os aumentos nos custos com o transporte.

Os estadunidenses estão furiosos, ameaçando com o punho em alto aos potentados árabes; sonham sonhos selvagens de conquistas no deserto para colocar esse vital recurso natural sob o controle dos Estados Unidos.

O que o norte-americano comum não sabe é que menos de 20% de todo o petróleo importado vem do Oriente Médio e que, em geral, o motivo para o aumento dos preços é pura especulação – e pelo medo atiçado por notícias do crescente conflito na região.

E que evento causou o pior conflito na região nos últimos 25 anos? A guerra contra o Iraque. A guerra contra o Iraque!

Esse conflito lançou para as nuvens os preços do petróleo. Por exemplo, antes da guerra, o petróleo era vendido a $30 o barril. Na primavera de 2008, estava a $126 por barril. Hoje, está a $108 por barril.

Apesar de tudo isso, a Exxon Mobil ganhou mais dinheiro nos últimos anos, mais dinheiro com a venda de petróleo do que qualquer outra companhia na história do capitalismo!

No ano passado, a Exxon ganhou $30 bilhões só em lucros! $3o bilhões!

Em uma interessante entrevista com María Bartiromo, de USA Today, Rex Tillerson, executivo da Exxon, explicou que não havia problemas de abastecimento. Disse: "O que os preços refletem é a incerteza sobre o que poderia acontecer nos meses e nos anos futuros se acontecem mais interrupções no abastecimento” (USA Today, 18/4/2011, 381).

Compreendeu isso? Não há problemas de abastecimento; porém, poderia haver problemas em alguns meses ou em alguns anos, "por isso, subimos os preços”. Em Ebonics (conhecido como Inglês Vernacular Negro, BVN, por sua sigla em inglês), isso poderia ser traduzido assim: "Vamos ganhar mais dinheiro, mais bolo, mais queijo, não importa o que, estúpidos!”.

Por essa razão, se faz guerras, dezenas, centenas de milhares são assassinados; a Constituição é pisoteada; a economia vai abaixo; as escolas são destruídas; e os políticos não são nada mais do que prostitutas com vestidos elegantes (Peço desculpas às prostitutas honestas!).

O terrorismo é uma quimera; uma ferramenta política para mascarar as profundas maquinações econômicas para dominar e controlar em um único recursos natural que nos resta no mundo: o petróleo.

Há uma razão para esta loucura: Chama-se lucros.
 
Mumía Abú-Jamal
Pseudônimo de Wesley Cook. Jornalista e ativista político negro estadunidense
Adital

Tradução: ADITAL

Organizações de diversidade sexual se mobilizam para o Dia 17 de Maio
 
 
Em 1990, no dia 17 de maio, a Organização Mundial da Saúde (OMS) reconheceu que a homossexualidade não é doença, mas uma variação natural da sexualidade humana. Desde então, a data tornou-se o Dia Internacional contra a Homofobia, Lesbofobia, Bifobia e Transfobia. Com a proximidade da data, organizações latino-americanas a favor da diversidade sexual iniciam mobilizações e atividades de esclarecimento junto à sociedade.

A Campanha Curas que Matam, levada a cabo por organizações da América Latina e do Caribe, tem por objetivo rechaçar o posicionamento de entidades conservadoras que propõem "terapias reparativas” da homossexualidade, com o apoio de correntes religiosas e até do Estado.

"Estes ‘tratamentos' não só são ineficazes, como reforçam os sentimentos de culpa e baixa autoestima, aumentam o sofrimento psicológico e, em alguns casos extremos, levam as pessoas ao suicídio”, declaram. Os ativistas acrescentam que esta visão difunde a homofobia e acaba por incitar à discriminação, gerando violência e assassinatos.

A campanha exige que os governos da região respeitem a laicidade do estado e combatam a difusão dessas "terapias” equivocadas. Também solicitam que funcionários do sistema público de saúde que promovem os "tratamentos” sejam afastados. Aos religiosos, os ativistas pedem a condenação da visão de "terapias reparativas” e que promovam "o respeito à diversidade sexual e de identidade de gênero”.

Denunciar a ausência de uma lei contra a discriminação sexual e solicitar o cumprimento de promessas eleitorais, como o reconhecimento da união homoafetiva. Estes são os objetivos da Marcha contra a Homofobia, Lesbofobia, Bifobia e Transfobia, organizada pelo Movimento pela Diversidade Sexual (MUMS), no Chile.

A manifestação ocorrerá no dia 17 de maio, indo do Passeio Ahumada, no centro de Santiago, até a Praça de Armas, quando os militantes entregarão ao presidente da República, Sebastián Piñera, uma carta cobrando compromissos de campanha e demandas da população TLGB. "Mais do que uma data de celebração, é um dia de denúncia e reivindicação, pois em nossa região, a diversidade sexual não é reconhecida nem respeitada”, sublinham.

Na Bolívia, a Fundação Igualdade LGBT, de Santa Cruz de la Sierra, promoverá o IV Festival Internacional de Cinema da Diversidade Afetivo Sexual, entre os dias 11 e 18 de maio. Aderindo à campanha Curas que Matam, o tema do festival será religião+culpa. As sessões ocorrerão na Agência Espanhola de Cooperação Internacional para o Desenvolvimento (Aecid) e o Centro Cultural Franco Alemão (CCFA).

Os peruanos poderão participar de um seminário sobre saúde mental, orientação sexual e direitos humanos, com mesas redondas sobre a temática. O evento acontece durante o dia 17 de maio, em Lima, na Universidade Peruana Cayetano Heredia, auditório Hugo Lumbreras. A organização é do Centro de Promoção e Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos (Promsex), com o apoio da Rede Peruana TLGB.

Em El Salvador, a Igreja Comunitária Metropolitana Misericórdia começa as mobilizações no dia 15, apresentando o Guia para mães e pais com filhos gays ou filhas lésbicas, com uma lista de igrejas que aceitam a orientação homoafetiva. No dia 17 de maio, às nove horas, haverá distribuição do Decreto Presidencial 56 sobre a Não Discriminação por Orientação Sexual em repartições do Estado. Às 14 horas, os religiosos organizam um ato público, na Praça Morazán, em San Salvador.
 
Camila Queiroz
Jornalista da ADITAL
Adital

 Brasil
Por unanimidade, Supremo reconhece legalidade da união homossexual estável



Os casais homossexuais podem ser incluídos no regime jurídico de união estável e se beneficiar de todas as consequências deste fato. Foi o que decidiu o Supremo Tribunal Federal (STF), ontem (5), por unanimidade.

Os efeitos da decisão, no entanto, não são totalmente conhecidos. Ainda não ficou claro, por exemplo, se os casais homossexuais poderão se casar. Isso não estava no pedido formulado nas ações do governo do Rio de Janeiro e da Procuradoria-Geral da República, em análise pelo STF no julgamento de ontem.

As ações pediam que a união estável homossexual fosse reconhecida juridicamente e que os casais homossexuais pudessem ser considerados como entidade familiar. Com o resultado, os casais homossexuais passam a ter direitos, como herança, inscrição do parceiro na Previdência Social e em planos de saúde, impenhorabilidade da residência do casal, pensão alimentícia e divisão de bens em caso de separação e autorização de cirurgia de risco.

De acordo com os ministros, o reconhecimento da união estável é urgente para a proteção do direito das minorias e para evitar episódios de preconceito e violência. Entretanto, eles acreditam que proposta de lei específica sobre o tema deve ser discutida pelo Congresso Nacional.
Fonte: Agência Brasil

DENÚNCIA-México

México
País se nega a cumprir sentença da CoIDH em caso de violação de DH



Em visita ao México para participar do 8º Curso de Mecanismos de Proteção de Direitos Humanos e Estratégias de Litígio Internacional, a diretora do Programa para América Central e México, do Centro pela Justiça e o Direito Internacional (Cejil), Alejandra Nuño, afirmou ontem (5) que é preocupante a falta de vontade política do Estado mexicano que ainda não cumpriu as cinco sentenças emitidas pela Corte Interamericana de Direitos Humanos (CoIDH) em casos de violações de direitos humanos.

Entre novembro de 2009 e dezembro de 2010, o México recebeu cinco sentenças da Corte por causa de violações de Direitos Humanos consideradas ‘graves’. As primeiras se referem aos casos de feminicídio no campo de algodão da Cidade Juaréz e o desaparecimento forçado de Rosendo Radilla, em Guerrero.

Somado a isso estão os casos das indígenas Inês Fernández Ortega e Valentina Rosendo, também de Guerrero, que em 2002 foram violentadas por militares, e ainda o caso dos campesinos ecologistas Rodolgo Montiel Flores e Teodoro Cabrera, que foram presos, torturados e submetidos a um processo sem garantias em 1999.

Ela acrescentou que a Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) também já emitiu recomendações ao México, em relação aos casos de feminicídio em Chihuahua, que não foram cumpridas, assim como as sentenças da CoIDH. Para ela, o país se nega a reconhecer sua responsabilidade.

As sentenças emitidas, no período de 2009 e 2010, pelo órgão judicial máximo do Sistema Interamericano (Corte IDH) determinam que o Estado mexicano é responsável pela comissão das violações, por isso, o condenam a reparar o dano causado às vítimas, por meio de indenizações e outras medidas de reabilitação.

De acordo com o artigo 67 da Convenção Americana de Direitos Humanos e com o artigo 31 do regulamento da CoIDH, o país é obrigado à aceitar e reconhecer em caráter ‘inapelável e definitivo’ estas sentenças, se obrigando a cumprir todos os termos e prazos estipulados nas disposições.

Em novembro do ano passado, o governo demonstrou a intenção de cumprir todas as obrigações, no entanto, no Projeto Federal de Orçamento de Despesas correspondente ao exercício fiscal de 2011, o presidente Felipe Calderón não incluiu o relativo ao pagamento da indenização destas vítimas.

De acordo com Alejandra Nuño, as sentenças estão completamente sem avanço, e no caso de Inês e Valentina existe um agravante, já que o governo solicitou em 29 de dezembro de 2010, uma interpretação da sentença. Ela ressaltou que uma interpretação serve para que o país solicite um esclarecimento sobre a resolução, no entanto, "o que o México fez foi questionar o que a Corte disse na parte de fundo, ou seja, reconhecer que Inês e Valentina haviam sido vítimas de violência sexual e que havia uma falta de acesso à justiça”, explicou.

No início do mês de abril, organizações sociais e indígenas, representantes da Igreja Católica e as indígenas que sofreram as violações, Valentina Rosendo e Inês Fernández, se manifestaram para exigir que o governo retire a solicitação de interpretação da sentença, já que isso indica um respaldo para que o exército continue cometendo abusos, e exigiram o cumprimento ‘imediato e íntegro’ das sentenças.

Na ocasião, Inês pediu que o governo não demore ‘10 anos’ para cumprir as sentenças, e disse que não quer ver os soldados em sua comunidade nem em sua casa, já que ‘o que necessitamos são obras, médicos, escolas e que garantam a segurança de todos os cidadãos’.
Com Informações da Cimac.

Tatiana Félix
Jornalista da Adital
Adital